Quando o mal está por perto

“Tu és o meu esconderijo; tu me livras da aflição.” Salmo 32.7a

Em muitas ocasiões e circunstâncias da vida temos a clara percepção de que o mal se aproxima de nós. Muitas vezes, ele nos alcança através de práticas de iniquidade – a mentira, a inveja, a ganância e os comportamentos imorais; noutras vezes, ele nos atinge com a violência – verbal, física, psicológica ou emocional; e, também, ele nos aflige por meio da coação, da intimidação ou mesmo da chantagem econômica, física ou social.

Nessas horas vem à mente perguntas como: Por que o mal atinge aos filhos do Senhor? Por que o Senhor não nos livra do sofrimento? Atormentado por estas dúvidas, Asafe exclamou: “Parece que não adiantou nada eu me conservar puro e ter as mãos limpas de pecado. Pois tu, ó Deus, me tens feito sofrer o dia inteiro, e todas as manhãs me castigas.” (Salmo 73.13-14). Mas, depois de refletir, Asafe concluiu: “Porém, quando fui ao teu Templo, entendi o que acontecerá no fim com os maus. Tu os pões em lugares onde eles escorregam e fazes com que caiam mortos.” (Salmo 73.17-18)

Não estamos livres do mal e nem dos maus, mas podemos confiar na promessa de Jesus: “No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.” (João 16.33b)

Do seu pastor e amigo
Gilton Medeiros